Arquivo para propaganda

Luz, câmera, ação… viral.

Posted in Outros with tags , , , on 12/08/2010 by izyx1988

Cientificamente falando, o vírus é um agente infeccioso que se reproduz rápido, podendo se espalhar com facilidade e contagiar muitas pessoas. Portanto, não é à toa que no vocabulário internetês o termo viral seja sinônimo de algo que se propaga rapidamente, se alastra, atingindo um grande número de usuários da rede. Com o aumento constante de pessoas conectadas a internet no mundo todo, o surgimento do YouTube e com o recente boom das redes sociais, que facilitam a troca de informações, os chamados vídeos virais mostram seu poder cada vez com maior freqüência. Vejamos na prática alguns deles:


“Is this real life?”
É sim, David, a vida no maravilhoso mundo da propaganda.

“David after dentist” é um clássico. Mais de 60 milhões de visualizações ao redor do mundo. Além disso, contribuiu para que alguns profissionais de marketing, que ainda duvidavam do poder do viral, abrissem seus olhos e começassem a buscar maneiras de utilizá-lo para fazer propaganda. Atualmente, o Google comercializa inserções de anúncios no YouTube, ferramenta cujo potencial permanece inexplorado por muitas empresas.

Esses vídeos atingem facilmente 1 milhão de visualizações, cativam quem vê de tal forma que a pessoa sente a necessidade de passar adiante, vira uma febre. Viral é cool e tá na moda. Percebendo isso, algumas grandes marcas já pensam em formas de produzir seus próprios vídeos com potencial viral. Isso mesmo, “potencial viral”. Porque é impossível afirmar com certeza se o vídeo irá viralizar ou não antes de publicá-lo. A maioria desses vídeos tem algo de improvisado, são reais, não procuram vender nada, apenas contribuem com o entretenimento de quem os assiste. São apenas algumas tendências, padrões, não são garantias de nada.


Campanha Dove pela real beleza. Tudo que uma mulher gostaria de ouvir.


As experiências feitas com Coca diet e Mentos tinham sempre o mesmo resultado: um vídeo viral.


As pessoas se perguntam até hoje se esse vídeo é real.

Esse vídeo da Nike talvez seja o case de maior sucesso entre os virais. Foram 1,9 milhões de visualizações em 1 mês. E nesse período, 2% de todas as pesquisas no YouTube eram “Ronaldinho Gaúcho”. No vídeo, com o intuito de divulgar a precisão que a nova chuteira proporciona, Ronaldinho acerta a trave diversas vezes seguidas de uma longa distância. Parece um vídeo amador, corriqueiro. E, apesar de ter um excelente conceito por trás, não tem cara de propaganda. Excelente aula da Nike de como viralizar e deixar a marca na boca do povo. Melhor ainda para uma grande marca, é quando ela não faz nada e um viral pula no seu colo. Exige muita sorte, muita sorte mesmo. Mas não pense que é só isso. Quando a campanha é bem feita, agrada e mexe com o emocional de seus consumidores, os resultados podem ser surpreendentes.


Em apenas 4 dias esse vídeo já tem quase 100 mil visualizações. Foi a cereja no bolo da Skol.

Referências:
http://mcmoraescosta.wordpress.com/2010/03/15/video-viral-uma-estrategia-aplicavel-para-as-pequenas-empresas/
http://www.imagineseusite.com.br/dicas/40-videos-virais-a-nova-tendencia-em-comunicacao-digital.html http://www.investimentosenoticias.com.br/colunistas/e-por-falar-em-propaganda/

Anúncios

Amar é…

Posted in Outros with tags , , on 04/08/2010 by thaiscordeiro

Amar é ter com sua marca favorita uma relação duradoura. É ser leal a ela. É defendê-la com unhas e dentes. É ser apaixonado.

Isso é uma lovemark, aquela que tem com você uma relação que vai além da razão, muito além do simples custo benefício. Ela ultrapassa a barreira do respeito, da própria admiração. Constrói com você uma relação de amor, como todos os melhores relacionamentos deveriam ser.

O gráfico acima nos permite analisar a força de uma marca através de duas dimensões, amor e respeito.  Commodities são bens facilmente intercambiáveis, sem nenhum apelo extra além da questão do preço; os modismos provocam um apaixonamento instantâneo, mas muito pouco resistente ao tempo; as marcas tradicionais possuem uma forte credibilidade na mente dos consumidores, mas esta se funda em valores racionais, não em paixões. Já as lovemarks se caracterizam por provocar uma lealdade apaixonada, que vai além do preço, da moda corrente e dos atributos racionais do produto.

Para conquistar esta posição uma marca deve apostar no mistério. Mas o que isso quer dizer? Como comentado anteriormente aqui no Caleidoscópio, pesquisas mostram que as pessoas tendem a não gostar de publicidade. OK, então como chegar no consumidor, como conquistar seu coraçãozinho? Fazendo da comunicação com o público algo interessante, intrigante, misterioso. Nada de propagandas que sempre fazem mais do mesmo. É preciso ir além do esperado, falar o que o consumidor nem sabia que queria ouvir, mas se apaixonou quando ouviu.  Um bom exemplo é o texto da propaganda da Harley-Davidson, marca adorada por uma legião de fãs:

Uma boa lovermark também costuma jogar com os 5 sentidos. Afinal, apostar no audiovisual como única forma de se comunicar não é mais suficiente. Estudos mostram que comunicações não verbais têm, inclusive, mais relevância nas relações interpessoais que as verbais. Estamos agora falando em multissensorialidade. Explorar os cinco sentidos e surpreender o consumidor com aromas, texturas, sabores… Um delicioso desafio para a nova geração de publicitários.

O poder das lovemarks é tão grande que ultrapassa a simples presença na mente das pessoas: algumas chegam a tatuá-las em seus corpos. É o caso da Apple e da já citada Harley-Davidson.

Pra quem quiser se aprofundar mais no assunto, vale conferir o livro “Lovemarks: o futuro além das marcas”, de Kevin Roberts, CEO da Saatchi & Saatchi.

E então, qual é a sua lovemark?

referências:

http://www.saatchikevin.com/Love_Changes_Everything/

http://citrus.uspnet.usp.br/eef/uploads/arquivo/v11%20n2%20artigo7.pdf

http://www.lovemarks.com

Muito mais que um joguinho

Posted in Outros with tags , , on 20/07/2010 by thaiscordeiro

A indústria dos games já é maior que a do cinema: somente no ano de 2008, movimentou US$ 48 bilhões. Para quem ainda tem aquela velha idéia de que videogame é coisa de criança, o estudo da Pew Internet & American Life Project veio para mostrar justamente o contrário. Mais da metade dos adultos americanos joga videogame. É claro que esse fato não passaria despercebido aos olhos dos anunciantes, e as conseqüências são vistas na vultosa soma que deve ser investida em publicidade nos games, US$ 1 bilhão em 2011.

A publicidade dentro dos jogos tem boa aceitação, especialmente quando está bem inserida na história. Por exemplo, nos games de futebol, a presença das marcas na beira de campo e nos uniformes é muito bem vista pelos jogadores, por reproduzir o que acontece em uma partida de verdade.

Os jogos com mensagens publicitárias, conhecidos como advergames, são uma boa alternativa para as empresas que desejam anunciar para um público-alvo masculino, entre 18 e 34 anos, que se dedica  cada vez mais aos jogos e cada vez menos à televisão.

Entretanto, o perfil do jogador vem se diversificando e ficando mais heterogêneo. Portanto, no seu próximo plano de mídia, um game pode ser uma ótima alternativa.

Exemplos:

1983. “Pepsi Invaders”. Primeiro advergame da história.

Utilizando a plataforma do clássico Space Invaders, foi criado um jogo para funcionários da Coca-Cola.

2010. Advergame da Coca-Cola para ativação do patrocínio da Copa do Mundo FIFA.

Fontes:

http://g1.globo.com/Noticias/Games/0,,MUL1290139-9666,00-INVESTIMENTO+EM+PUBLICIDADE+DENTRO+DE+JOGOS+DEVE+CHEGAR+A+US+BILHAO+EM.html

http://pt.wikipedia.org/wiki/Advergame

http://www.youtube.com/user/advergames#p/u/58/1TBQwRm7vYo

http://blogs.forumpcs.com.br/noticias/2006/06/19/publicidade-em-jogos-movimentara-us-400-milhoes-em-2009/

http://invertia.terra.com.br/publi_news/interna/0,,OI2247604-EI10368,00.html