Arquivo para junho, 2011

Gamification na sua caixa de entrada

Posted in Gamification on 29/06/2011 by izyx1988

Imagine um joguinho para tornar ligeiramente divertida uma das tarefas mais chatas da internet: organizar seus e-mails. É o que o Email game faz. O jogo é da empresa Baydin, responsável por aplicativos (pagos e gratuitos) que facilitam a organização de e-mails, mas a companhia, curiosamente, não opta aqui por fazer propaganda direta de seus produtos.

Através do site do Email game, é possível importar a caixa de entrada, com todas as funções presentes (responder, encaminhar, separar por pastas, etc.) e, basicamente, quanto mais rápido a pessoa organiza seus e-mails, mais pontos ganha.

Ao importar a caixa de entrada para o Email game, o usuário se depara com um pequeno tutorial do jogo.

No topo, existe uma barra com todas as funções da sua caixa de entrada. Do lado esquerdo, um marcador de tempo com contagem regressiva, que pode dar mais ou menos tempo de acordo com o tamanho do email. O lado direito possui a contagem de pontos adquiridos na realização de alguma tarefa e uma barra de progresso, indicando quantos e-mails ainda precisam ser organizados. O jogo só permite organizar 30 emails por vez.

Uma opção curiosa é a de “arquivar” os e-mails para reaparecerem daqui a um tempo. Por exemplo, digamos que Joãozinho diz que entregará um relatório na sexta-feira. Existe a opção “boomerang”, que permite que o e-mail volte a aparecer na sua caixa de entrada sexta-feira, só para conferir se Joãozinho enviou mesmo o tal relatório.

Ao terminar, é possível compartilhar os resultados através do Twitter ou do Facebook, pois como já mostramos anteriormente, o gamification também tem como força motriz a competitividade presente em cada um.

Outro aspecto curioso a respeito do término do jogo é que é mostrado quanto tempo a pessoa economizou ao jogar. Por mais paradoxal que possa parecer o fato de um aplicativo ter a finalidade de economizar o tempo de uma pessoa ao organizar os e-mails enquanto exige que a pessoa gaste algum tempo jogando, a lógica do jogo se torna compreensível se levarmos em conta a quantidade de e-mails que chegam em nossas caixas de entrada exigindo apenas respostas curtas ou um simples “delete”.

Podemos, desta forma, enxergar o e-mail game como uma espécie de escaneamento de e-mails importantes, uma forma contemporânea de separar o joio do trigo, digamos assim. Além disso, serve como uma forma de tornar o usuário ativo e impedir que a resposta das mensagens que chegam sejam adiadas.

Fonte:
http://gamification.co/2011/05/27/avalanche-of-emails-try-the-email-game/

Anúncios

Trends 5 e 6

Posted in Trend Watching 2011 on 29/06/2011 by brunogrieco

Trendwatching 3 e 4

Posted in Trend Watching 2011 on 14/06/2011 by brunogrieco

A cobra do jogo Snake na era do Gamification

Posted in Gamification with tags , , , , on 12/06/2011 by manoellagiesta

Seguindo a linha dos nossos posts anteriores sobre gamification, continuamos a discutir esse fenômeno que vem sendo cada vez mais utilizado em diferentes cenários como na educação e  na publicidade. Como já relatado no primeiro post sobre o assunto, o gamification se caracteriza pelo uso de mecanismos de jogos em aplicações que visam objetivos que não se restringem somente à atividade lúdica do ato de jogar mas também de tornar tarefas antes consideradas chatas mais divertidas encorajando nos seus usuários comportamentos desejados pela empresa que fez o game.

Na publicidade, o gamification tem como um dos seus pontos mais fortes a possibilidade de fixar uma marca através do envolvimento de um usuário-jogador em uma atividade lúdica. Com esse objetivo, trabalha-se os benefícios que o jogador pode obter como recompensas, gratuidades, status e outros.

Recentemente, a marca Sensodyne do Canadá criou um aplicativo no Facebook. O   objetivo era promover uma espuma dental. O jogo intitulado de Foam Snake Frenzy é inspirado no antigo game Snake e coloca à disposição do jogador uma espuma (no lugar da famosa cobra) para pegar e exterminar as sujeirinhas que ficam na boca se desvencilhando de barreiras. A cada comidinha liquidada pontos são ganhos. O jogo oferece até diferentes cenários nos quais os dentes poderiam ficar sujos, como um jantar ou um coquetel na estréia de um filme, que podem ser jogados a cada fase conquistada.  O jogador pode ainda convidar amigos para participarem da brincadeira.

Devido ao maior uso do gamification, suas características já vem sendo analisadas, como no site da UX Magazine, que traz artigos sobre concepção, estratégias e tecnologia usadas na área da publicidade. O site traz também uma classificação das diferentes formas como a ferramenta vem sendo  utilizada.  São quatro opções definidas: Cosmetic Game Elements, que se caracteriza por acrescentar elementos visuais e fotos dos jogos à peça publicitária; Accessory Game Elements, que oferece recompensas explícitas como pontos, níveis e status; Integrate Game Elements, caracterizada por uma linguagem mais sutil com elementos mais integrados à peça como uma barra de progressão; e Basis Gamification, que apenas torna atividades que não eram jogos em jogos.

O gamification usado na ação da Sensodyne para divulgar sua espuma dental se encaixa na categoria de Acessory Game Elements, pois apresenta bonificações ao usuário que joga o game, mas parece não ser nada além de puro marketing, não envolvendo o usuário em nenhum ambiente lúdico, no qual ele usa a marca sem percebê-la.  Apesar deste tipo de gamification ser o mais comum, ele é constantemente criticado devido ao uso descompromissado dos elementos do jogo que são tratados apenas como acessórios, o que pode acabar não levando o usuário ao comportamento desejado que é usar o aplicativo e entrar em contato com um produto de uma marca ou com um serviço oferecido por uma empresa, indo de encontro ao objetivo primordial da utilização do Gamification.

Fontes:

http://en.wikipedia.org/wiki/Gamification

http://www.uxmag.com/design/a-gamification-framework-for-interaction-designers

http://adivertido.com/advergame-ou-in-game-ad-nao-importa-o-formato-o-que-importa-e-o-conceito/